O lago Gutierrez, nos arredores de Bariloche | ©Shutterstock/Ksenia Ragozina

Bariloche

5 motivos para escolher essa viagem

  • O Cerro Catedral, entre as mais modernas estações de esqui da América do Sul. ­
  • O Cerro Campanário e sua vista: montanhas de picos nevados, bosques e lagos azuis. ­
  • O Parque Nacional Nahuel Huapi, com trilhas, cavalgadas e passeios de catamarã.
  • As deliciosas chocolaterias, como a Abuela Goye e a Mamuschka.
  • A escapada até a charmosa cidade de Villa La Angostura, a 85 quilômetros de Bariloche, repleta de lojas, cafés e restaurantes.
Lago Nahuel Huapi, do alto do Cerro Otto | ©Shutterstock/ArielMartin

Check-list antes de fazer as malas

  • Documento Passaporte ou RG.
  • Dinheiro Peso argentino.
  • FUSO HORÁRIO É o mesmo de Brasília, mas a Argentina não adota o horário de verão.
  • Idioma Espanhol.
  • Carro Para dirigir, é só apresentar a carteira de habilitação brasileira (CNH); o veículo deve estar em nome do condutor ou de um dos passageiros – se não for o caso, é preciso ter uma autorização do proprietário (com firma reconhecida em cartório) legalizada pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

Só tem aqui

O Cerro Otto e sua Confitería: a 1.405 metros de altitude, esse mix de restaurante e café fica em uma estrutura giratória, que a cada 20 minutos dá uma volta de 360 graus – a vista lá de cima é espetacular.

Programe-se

A alta temporada é o inverno (junho, julho e agosto), época da neve e do esqui, que se prolonga até setembro. Nessa época, os termômetros apontam média de 3°C, mas sempre ocorrem temperaturas negativas. Se em julho os preços são mais altos, eles começam a cair na segunda quinzena de agosto (mês da Fiesta de la Nieve, com shows e desfiles). Quem não curte o frio pode visitar Bariloche no verão (dezembro, janeiro e fevereiro), com dias ensolarados e médias em torno de 14°C – ótimo período para praticar trekkings e até esportes aquáticos.

Saiba mais

Porta de entrada da Patagônia argentina, Bariloche é a queridinha dos brasileiros, e tem motivos de sobra para isso: o charme europeu, a neve, as estações de esqui, a paisagem, com lindas vistas para o lago Nahuel Huapi, a noite que não tem fim... A cidade deu a volta por cima depois que o vulcão chileno Puyehue a cobriu de cinzas, em 2011. E está superatraente, com novos hotéis e, o mais importante, infraestrutura de esqui remodelada. As estações de esqui são as melhores atrações de Bariloche, e agradam tanto esquiadores experientes quanto turistas que querem apenas se divertir com a neve – há snowboard, esqui alpino, esqui de fundo, esqui... bunda! Foi pensando justamente no público que chega para brincar no gelo que a cidade inaugurou, em 2014, o parque de neve Cerro Mágico – programa imperdível, principalmente para quem viaja com as crianças.

Veja mais dicas da América do Sul em To Go Blogs.

  • Vista do Cerro Campanário | ©Shutterstock/sunsinger

    Vista do Cerro Campanário | ©Shutterstock/sunsinger

  • A Catedral de San Carlos de Bariloche | ©Shutterstock/Ksenia Ragozina

    A Catedral de San Carlos de Bariloche | ©Shutterstock/Ksenia Ragozina

  • Villa La Angostura | ©Shutterstock/kastianz

    Villa La Angostura | ©Shutterstock/kastianz

  • Bariloche vista das montanhas | ©Shutterstock/Brainsil

    Bariloche vista das montanhas | ©Shutterstock/Brainsil

Confira as ofertas incríveis da To Go